O tempo no abrigo: preservação da história, garantia de singularidade (por Dirce França)

“O trabalho de Maria Lucia Gulassa1, com os coordenadores e profissionais de abrigos nos mostra que a identidade do abrigo se constrói principalmente a partir do que ele não é. Uma identidade que se constrói a partir do negativo tem implicações problemáticas para a construção de um modo de funcionamento que atenda às necessidades do abrigo.”

Leia a íntegra do artigo:
O tempo no abrigo: preservação da história, garantia de singularidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *